A alternativa parece ser bem pior.

Ontem encontrei o meu primeiro cabelo branco! 🙀

Envelhecer não é a minha praia. Não acho bonita a lei da gravidade nas mamas nem no rabo. Rugas não obrigada – besunto-me em cremes desde que me lembro. A celulite… raios, se não serve para nada porque aparece??!! E a facilidade com que se engorda?! Parece que o ar fica retido cá dentro e o tamanho das calças dispara.

Como nem tudo poderia ser mau salva-se a serenidade, a capacidade de perceber o quão grandioso é sonhar, a vontade de aprender e reaprender, o sorriso genuíno com as pequenas dádivas da vida. E o orgulho de ser quem sou! Realmente foi foda chegar até aqui.

Amar demais.

Manter-me firme neste propósito de nos afastar geograficamente é das coisas mais difíceis que já fiz. Pensar que estou a magoar-te, que te desamparo, que te prejudico, faz-me sentir um peso que asfixia.

Não é de maneira nenhuma essa a minha intenção, pelo contrário, eu quero ver-te feliz, sentir-te em paz, perceber que sentes o meu amor, que tens amor por ti, gosto pela vida. Quero ver-te sorrir. Não será propositado mas a direcção que tomas é a contrária a isto tudo, há tantos anos, e dói-me até às entranhas…

Eu não quero ter de assistir ao declínio de quem amo tanto. Terei esse direito? Terei o direito de começar a fechar a janela que sempre deixei aberta? Afinal, sempre fui tua cúmplice, sempre te habituei mal. E agora, apesar de tantos avisos, tiro-te o tapete…

Mas sabes, não perdi a esperança, uma parte de mim pensa “se não é perto de mim que ficas melhor, pode ser que seja assim”. Às vezes o amor sufoca, cria dependência, tira autonomia. Vou tentar manter-me firme na fé de acreditar que assim voltarei a ver-te sorrir.

Sei que pelo menos hoje não posso, mas a minha vontade era dizer-te que te amo e vou estar sempre aqui para ti, “no matter what”.

Se a isto se pode considerar uma tentativa de educar-te, confirmo, dizer não é possivelmente o que de mais difícil um ser humano pode fazer por alguém que ama genuína e generosamente. 👯

Natal.

Não é uma época propriamente linear para mim. Acho-a muito consumista e um pouco falsa, afinal fazemos nestes dias o que no resto do ano esquecemos. Mas também tem alguma magia, é certo. A criança que mora dentro de mim assim o diz.

Nesta altura de desejar os votos dou por mim a falar com pessoas, por quem tenho verdadeira estima, a quem infelizmente pouco ou nada ligo no resto do ano. Apercebo-me assim da velocidade com que o tempo passa. Parece que não, mas quando dá-mos por ela, é natal outra vez. 🎅

Emburrada.

Hoje é este o meu estado de espírito. Suponho que em muito porque, como boa disléxica, continuo com dificuldades em distinguir a esquerda da direita e o puxe do empurre… 🙍