I am seeing strange behavior in people i used to know…

Conheço-o desde que nasceu. Fomos muito próximos em miúdos, crescemos mais afastados, reencontramo-nos há alguns anos atrás e aproximamo-nos de novo.

Sempre o admirei, pela genuinidade, pela simplicidade, pela autenticidade, pela forma de estar na vida.

O ano de 2017 começou para ele com uma partida do destino, que o fez partir dois corações ao mesmo tempo, um dentro do outro.

A tentação é filha do Diabo, e ninguém diga que lhe resiste. Há horas do Demo. Podia ser assim com qualquer um.

Tudo o que se seguiu ao acto consumado é, para mim, mais sofrido que o consumar da tentação: a naturalidade da aceitação, a indiferença a um sofrimento tão próximo, o desejo à resignação alheia.

Vi-os juntos quando Cristo ressuscitou e, quando O beijei, pedi-Lhe baixinho para não deixar o Homem separar aquilo que Deus uniu. Torço para que vença o amor.

Sou apenas uma pecadora, alguém sem qualquer poder para julgar outros, mas ainda assim não consigo sentir-me indiferente ou distanciada.

Não é a tentação que me incomoda, é a traição. A traição de jurar cuidar de alguém e olhá-la nos olhos sem perceber que lhe roubou a alma.

Até agora este ano foi-lhes tão improvável que se mostra provável acontecer a qualquer um.

E se um dia, por obra do Demo, também eu me vir nas horas dele, que eu saiba parar antes de me perder. Quer fique no amor que vivia, quer na paixão da tentação, que eu saiba olhar nos olhos de quem esteve anos a fio ao meu lado e nunca esqueça que lhe devo o melhor de mim – o meu mais puro respeito por quem dividiu a vida comigo.

Eu sei que me vais ler. Promete-me que vais reler, tantas vezes quantas necessário, para perceberes que estarei do teu lado escolhas o caminho que escolheres. Mas promete-me que vais olhar nos olhos dela, procurar a sua alma e devolvê-la. Ela é, e será sempre, “a hell of a woman”! 💐

Facebookmail

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *